É DO VERMELHO QUE ELAS GOSTAM MAIS

FONTE: PUBLIC/ABCB SENEPOL

O “sexo frágil” está tomando conta de um espaço dominado, até então, pelos homens. As “Mulheres do Senepol” sabem muito bem como é cuidar dos negócios e da família. O grupo, que reúne criadoras da raça, está ganhando força e destaque em nível nacional. O objetivo é levar conhecimento técnico e divulgar o trabalho das Mulheres do Senepol. “Sempre tínhamos contato pelas redes sociais e decidimos realizar os encontros presenciais para dar a oportunidade de mais mulheres conhecerem a raça e também de nos capacitarmos tecnicamente. A partir de então, os encontros passaram a ter momentos técnicos, com o envolvimento de profissionais, entre esses, palestrantes convidados que abordam temas de interesse comum”, explica a pecuarista Rubia Pereira Barra, do Senepol Constelação.

2016-09-05-12-41-28

Segundo Rubia, o número de mulheres interessadas pela pecuária vem crescendo, e, no caso do Senepol, as características da raça são fatores preponderantes para esse aumento. “A docilidade dos animais foi o que me levou ao curral. Mas, não ficamos só nisso. Em conjunto com o marido e os filhos, trabalhamos para promover o melhoramento genético dos animais, um manejo adequado aos bezerros, sanidade, índices que geram maior impacto nos resultados e, por aí vai. Somos organizadas e temos a sensibilidade de vermos as coisas que muitas vezes passariam despercebidas no mundo masculino. Estamos aqui para somar”, destaca.

As Mulheres do Senepol vem realizando encontros em exposições, dentre elas as de Barretos/SP, Campo Grande/MS e Uberlândia/MG. Segundo Rúbia, o próximo encontro, com data ainda a ser definida, promete inserir também toda a família. “Estamos observando que as senepoleiras comparecem aos nossos encontros cada vez mais. Normalmente, aproveitamos os grandes eventos da raça para nos reunirmos e, assim, é possível o envolvimento de toda a família”, disse.

Uma das integrantes do grupo “Mulheres do Senepol”, a criadora Vera Reich, é uma das principais referências da raça que está crescendo em todo o país. A titular da CMI Senepol foi um dos destaques da nova edição da Revista Senepol.

Dona de casa, mãe, empresária e criadora de Senepol, ela conta que o seu envolvimento com a raça começou há 14 anos, quando seu marido decidiu introduzir no plantel uma nova raça com a proposta de fazer cruzamento industrial. A cor vermelha e a docilidade dos animais a encantaram e a paixão foi inevitável.

Foi uma escolha correta, acreditamos e investimos na raça, buscando sempre genética de ponta no berço do Senepol e, assim, nos tornamos um criatório referência da raça no País”, contou.

Atualmente, Vera Reich, atua no Conselho Técnico Deliberativo da ABCB Senepol. Considerada a primeira mulher a participar diretamente da criação a campo, ela diz que a facilidade de manejo e a docilidade do Senepol estão atraindo cada vez mais, mulheres para o campo. “Dizem que nós mulheres somos possuidoras do sexto sentido. A sensibilidade feminina é um dom que temos e que deve ser aproveitado para o crescimento da raça”, destaca Vera durante entrevista à Revista Senepol.

 

DIA DE CAMPO SENEPOL CONSTELAÇÃO DESTACA O BEM-ESTAR ANIMAL

No próximo sábado, dia 22, a Fazenda Palmito, localizada em Paranaiguara (GO), região Sul do Estado e a 350 km da capital Goiânia, abre suas porteiras para realização da segunda edição do Dia de Campo Fazenda Palmito/Senepol Constelação. O evento tem por objetivo compartilhar as experiências bem sucedidas da propriedade, desde a formação das pastagens, passando pela criação do gado Nelore, o melhoramento genético da raça Senepol e a produção das lavouras.

A segunda edição do maior encontro técnico de campo da raça Senepol reunirá empresas, pesquisadores e produtores rurais em um evento cheio de oportunidades

GRANDE ENCONTRO TÉCNICO DA RAÇA

O Dia de Campo da Fazenda Palmito/Senepol Constelação chega a sua segunda edição com a responsabilidade de ser ainda melhor que a primeira. Em 2015, o evento reuniu mais de 350 produtores rurais, empresas referências do setor, pesquisadores, técnicos e profissionais liberais que compartilharam informações e experiências. De acordo com Estevão Barra Bernardes, organizador do evento “o objetivo é manter a qualidade do público participante e apresentar a evolução dos projetos da fazenda em todas as atividades desenvolvidas”, comenta.

Estevão acrescenta que o evento está mais maduro na parte comercial. “Além de todo conteúdo técnico que apresentaremos, o dia de campo é planejado para gerar negócios e relacionamentos, de maneira que seja um ‘balcão de negócios’, para um público bem direcionado, possibilitando boas oportunidades para todos envolvidos”.

Com uma programação diversificada, o evento contará com mostra de animais Senepol e animais de cruzamento industrial, shopping de touros e doadoras Senepol, espaço mulher e palestras com pesquisadores renomados, que levarão informações úteis para o dia-a-dia dos produtores rurais.

Mais de 350 participaram da primeira edição do evento

Mais de 350 participaram da primeira edição do evento

 

REFERÊNCIA EM BEM-ESTAR ANIMAL

O grande nome do Brasil em Bem-Estar animal, Prof. Dr. Mateus Paranhos da Costa ministrará a palestra central. Formado em Zootecnia na Universidade Estadual Paulista (1981), tem especialização em Comportamento Animal pela Universidade de São Paulo (1986), mestrado  em Zootecnia na Universidade Estadual Paulista, doutorado em Psicobiologia na Universidade de são Paulo (1995) e pós-doutorado em Bem-Estar Animal na Universidade de Cambridge (1999).

Prof. Dr. Mateus Paranhos é o maior especialista do país em bem-estar animal. Foto: Globo Rural

Prof. Dr. Mateus Paranhos é o maior especialista do país em bem-estar animal. Foto: Globo Rural

Atualmente é Professor Assistente Doutor na Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, da Universidade Estadual de São Paulo, no campus de Jaboticabal.

Mateus falará sobre os benefícios e os impactos positivos da implantação de práticas de bem-estar animal.  “Mostraremos como simples operações proporcionam maior controle na execução dos manejos nas fazendas, promovendo ganhos de desempenho, eficiência e segurança no trabalho”, explica.

Fazenda Palmito

Com 58 anos de experiência em agropecuária, a fazenda de propriedade de Josefa Guedes Bernardes, ganhou notoriedade devido à constante aplicação de tecnologia nas atividades exploradas. Em uma área de 643 hectares, sendo 500 deles destinados às pastagens, cria mais de 1 mil animais Nelore e desde 2010, seleciona animais Senepol PO, objetivando produzir bezerros de cruzamento industrial (Nelore x Senepol) e abastecer o mercado com reprodutores Senepol melhoradores. Além da pecuária, cultiva 100 ha de soja.

O evento conta com o apoio da Universidade Federal de Uberlândia, da Embrapa Geneplus e do Sindicato Rural dos Produtores Rurais de Paranaiguara e São Simão.

IMG_3583IMG_3510IMG_3577

Assessoria de Imprensa

Gustavo Ribeiro – Berrante Comunicação.

CURSO MANEJO RACIONAL DE BOVINOS DE CORTE

Por intermédio do  Convênio 797941/2013 celebrado entre o MAPA e BEA Consultoria e Treinamento, acontecerá nos dias 4,5 e 6 de Agosto de 2016 na Fazenda Palmito/ Senepol Constelação, o Curso Teórico e Prático Manejo Racional de Bovinos de Corte  (Boas Práticas no Curral). O Curso é uma realização do MAPA, FUNEP, UNESP, Grupo ETCO, BEA Consultoria e Treinamentos, Fazenda Palmito/Senepol Constelação.

O objetivo do curso é treinar e aperfeiçoar profissionais (pecuaristas, capatazes, vaqueiros, técnicos e demais interessados) em boas práticas de manejo de bovinos de corte. A ênfase do curso está na utilização dos conhecimentos sobre o comportamento dos bovinos para a definição de estratégias de manejo, de forma a reduzir riscos de acidentes e de estresse decorrente do manejo. A adoção dessas práticas contribui para melhorar a interação com os bovinos, proporcionando: melhoria do bem-estar dos animais, melhores condições de trabalho, diminuição de perdas e maior produtividade.

A ênfase do curso está na utilização dos conhecimentos sobre o comportamento dos bovinos e a ciência do bem-estar animal para sensibilizar o público ao tema, de forma a assimilar que a melhoria do bem-estar dos animais representada pela adoção de boas práticas de manejo aumenta os índices produtivos, reduz os riscos de acidentes e de estresse decorrente do manejo, com consequente diminuição de perdas e melhorias na qualidade da produção.

O programa do curso teórico-prático é composto por aulas teóricas e práticas:

Teoria – Os custos da má qualidade na produção de bovinos • Aspectos fundamentais do comportamento de bovinos • Mundo  sensorial  e  perspectivo  dos  bovinos • Processos  de  aprendizagem  e  treinamento  de  bovinos • Comportamento  social  e  formação  de  lotes

Prática I – O comportamento dos bovinos e condicionamento de bovinos para o manejo no curral  (1ª Parte)

Teoria – Interações humanos- bovinos e o dia-a-dia na fazenda

Prática II – Avaliação de Pontos Críticos das instalações Infra-estrutura para o manejo de bovinos;

Práticas III – Condução do  pasto  ao  curral • Apartação • Embretamento

Prática IV – Condicionamento de bovinos para o manejo no curral (2ª Parte)

Teoria – Manejo racional de bezerros ao nascimento • Manejo racional na desmama • Manejo racional na vacinação e na aplicação de medicamentos • Manejo racional na identificação • Manejo racional no embarque • O transporte de bovinos e outras etapas do manejo pré-abate

Prática V – Condução ao tronco de contenção • Contenção

Prática VI – Vacinação

Prática VII – Identificação

Prática VIII – Simulação de rotinas de manejo

16-06-07 - Curso Manejo Racional

 

 

SEGUNDO DIA DE CAMPO FAZENDA PALMITO/SENEPOL CONSTELAÇÃO

 

Berrante

 

A Fazenda Palmito/Senepol Constelação realizará no dia 20 de agosto de 2016 a segunda edição do seu DIA DE CAMPO. O evento será realizado na sede da Fazenda Palmito, em Paranaiguara (GO), às margens da represa da Usina Hidrelétrica de São Simão.

A propriedade funciona como uma vitrine regional de tecnologia e inovação:

INTEGRANDO CULTURAS

Slide1

 

 INVESTINDO EM MELHORAMENTO GENÉTICO DO REBANHO

Slide1

 

MELHORANDO E MENSURANDO SUAS PASTAGENS – PARCERIA UFU E BARENBRUG

Slide2

 

CAPACITANDO OS COLABORADORES

Slide3

 

REALIZANDO BOAS PRÁTICAS E BEM-ESTAR ANIMAL

Slide2

RESPEITANDO O MEIO AMBIENTE -REFLORESTAMENTO DAS MARGENS DA REPRESA

Slide1

AS MULHERES E O SENEPOL

 Rubia Pereira Barra – Senepol Constelação

 Slide1

Ultimamente tenho pensado, porque tantas mulheres estão se interessando pela Raça Senepol. Claro que as redes sociais tornaram o dialogo mais fácil entre nós e nos levou a frequentar mais os leilões até no intuito de nos conhecermos pessoalmente. Me inspirou no Dia de Campo da Fazenda Palmito/Senepol Constelação em Paranaiguara – GO em agosto de 2015, criar o Espaço Mulher Senepol. Também a nos mobilizarmos para o Primeiro Encontro de Mulheres do Senepol, organizado por Wilma Garcia – Senepol 3G, em outubro de 2015, na cidade de Barretos – SP, onde compareceram mais de 70 mulheres.

Mas o que tem essa raça de especial que está nos mobilizando tanto? E a primeira coisa que passou pelo meu pensamento, até por minha própria experiência, foi uma das característica da raça, a docilidade. Essa característica me fez lembrar de uma característica das mulheres que é a sensibilidade. Veio então a pergunta: o que está nos levando para a raça está relacionada a sensibilidade feminina?

No texto “De onde vem a sensibilidade Feminina” (Vida em Paz, 2011) me chamou a atenção as seguintes perguntas: Por que será que as mulheres conseguem ter intuições poderosas, a ponto de prever eventos futuros? Ou qual o motivo para se emocionarem com facilidade? E, por fim, por que são tão detalhistas e conseguem reparar naquilo que nenhum homem poderia prestar atenção? Resolvi então refletir sobre a sensibilidade feminina e procurar relacionar a estas perguntas, com o olhar voltado para o que venho vivenciando e trocando experiências com mulheres que atualmente de alguma maneira se relacionam com a raça Senepol. Mulheres estas que dividem a responsabilidade de seus criatórios com maridos e filhos, outras que tomam a frente do trabalho nos seus próprios criatórios, algumas que acompanham seus maridos e aquelas que começam a despertar para conhecer e estudar a raça.

Podemos começar então pela intuição poderosa de prever eventos futuros, onde encontramos falas de Senepoleiras como O Senepol é a solução para o cruzamento industrial para os pecuaristas brasileiros que querem fazer isto à campo” (Claudia Cury – Senepol Gen Brasil, 2016). Outro exemplo é da pecuarista Desire Castilho – Senepol DC, que cuida de sua fazenda e resolveu investir na raça Senepol “Começamos a fazer IATF nas novilhas e nesse pouco tempo já colorimos quase a minha fazenda toda ! A docilidade do Senepol! O ganho de peso!”  Ao decidir investir na raça, Desire preveu o futuro. “Quando percebemos através de cruzamentos, que o Senepol era diferente não tivemos dúvidas, partimos para produzir genética” (Vera Reich – Senepol CMI, 2016). Hoje sabemos que o Senepol é a raça que mais cresce no Brasil e se considerarmos que Vera Reich enxergou isto a 13 anos atrás não resta dúvida que ela usou a característica da sensibilidade feminina de prever eventos futuros.

Outra característica da sensibilidade feminina é a facilidade para se emocionarem. Muitas mulheres que de alguma forma tem contato com o Senepol trazem em suas falas “O Senepol une as famílias” (Wilma Gracia – Senepol 3G, 2015), “O clima das famílias que criam Senepol me impressionou” (Bebel Reis – Senepol Porteira de Táboa, 2016). Falas de pura emoção. E isso é mesmo verdade, são vários os relatos onde mães colocam que um dos filhos não se envolvia com os assuntos da pecuária e que hoje isso mudou. Podemos citar o exemplo de Regina Trajano – NEO Senepol e o seu filho Paulo que hoje participa dos encontros da raça. O Senepol tem a magia da conquista e vai conquistando esposas, filhas e filhos, netas e netos e também nossos amigos.

Também trazemos como parte de nossa sensibilidade o fato de sermos detalhistas e repararmos naquilo que homens poderiam não prestar atenção. E prestamos atenção na docilidade da raça e relacionamos ao Bem Estar Animal (BEA) e ao Manejo Racional. E muitas de nós levantamos a bandeira do BEA e do Manejo Racional. Como imaginar que estes animais dóceis possam ser manejados fora dos conceitos do manejo racional e do BEA? Nenhum animal merece ser manejado de outra forma, muito menos nossos dóceis vermelhinhos. Esta nova forma de pensar já pode ser vista nas ações desenvolvidas por mim na Fazenda Palmito/Senepol Constelação e por Carol e Andrea Coelho – Senepol da San, que se preocupam em capacitar seus colaboradores. Mas não é só isto, ao adotarmos estas ações, também utilizamos a característica de prever eventos futuros, visto que cada vez mais o mercado externo considera estas práticas para a importação de produtos de origem animal.

Essa docilidade também permitiu que entrássemos em um ambiente frequentado muito mais pelos homems, os currais e nos aproximássemos dos animais. Ao fazer isso fomos nos encantando pela raça.

Não consigo imaginar o mundo sem a parceria entre o homem e a mulher e o interesse das mulheres vai fazer uma grande diferença para a raça. A sensibilidade é um dom que as mulheres possuem e que deve ser considerado e aproveitado para o pleno crescimento da raça.

 

REFERÊNCIAS

 

VIDA EM PAZ. De onde vem a sensibilidade Feminina? Disponível em https://vidaempaz.wordpress.com/2011/03/08/de-onde-vem-a-sensibilidade-feminina/ Acesso em: 25 abr 2016

BEBEL REIS. Porque me tornei senepoleira. Disponível em: < https://www.facebook.com/mulheresdosenepol/?fref=ts> Acesso em: 25 abr 2016

CLAUDIA CURY. Porque me tornei senepoleira. Disponível em: < https://www.facebook.com/mulheresdosenepol/?fref=ts> Acesso em: 25 abr 2016

DESIRE CASTILHO. Porque me tornei senepoleira. Disponível em: < https://www.facebook.com/mulheresdosenepol/?fref=ts> Acesso em: 25 abr 2016

VERA REICH. Porque me tornei senepoleira. Disponível em: < https://www.facebook.com/mulheresdosenepol/?fref=ts> Acesso em: 25 abr 2016

 

A RAÇA SENEPOL E O BEM ESTAR ANIMAL

Rubia Pereira Barra – Senepol Constelação

O cuidado com o meio ambiente e com os animais é uma realidade cada vez mais presente na vida cotidiana de todas as sociedades.

O tema Bem Estar Animal (BEA) vem ultimamente ganhando importância entre pesquisadores, consumidores e governos nos principais centros mundiais e também no Brasil. Esses mercados impõem, de forma crescente, restrições à comercialização de produtos obtidos sem o respeito aos princípios do bem estar animal.

Bem-estar é um conceito amplo que considera, dentre diversos aspectos, a qualidade de vida física e mental do animal. Para favorecê-lo, deve-se fornecer água e alimento em quantidade e qualidade adequadas, ambiente confortável para o animal deitar e se movimentar sem dor, favorecer trocas sociais saudáveis entre os animais e o ser humano (Pinto & Silva, 2013).

Segundo Franchi & Silva (2015), no que diz respeito ao BEA, fator essencial dentro de uma produção agrícola sustentável, muitos aspectos ainda precisam ser desenvolvidos, no Brasil e no mundo. E mais do que a adoção de medidas e a tomada de ação, é preciso maior discussão e difusão de informações por parte de todos os envolvidos. O descompasso que ainda existe entre o BEA e os outros fatores que compõem a criação de animais é, em parte, por conta do desconhecimento de produtores e técnicos a respeito das práticas corretas e éticas de BEA.

O artigo de ZANELLA (2000) alude às dificuldades encontradas por um grande número de profissionais brasileiros, que na sua grande maioria não receberam formação em BEA.

Uma característica atual do mercado interno europeu é uma declarada preferência por padrões aumentados de bem-estar dos animais de produção. De fato, para aqueles cientes e sensíveis às questões de BEA, as condições sob as quais os animais de produção são mantidos percorrem toda a cadeia produtiva para se tornarem atributos do produto final. A teoria convencional de demanda de mercado permite sugerir alguns princípios aplicáveis à demanda por BEA. Em primeiro lugar, parece razoável admitir que a demanda por BEA não seja muito responsiva a preços, a elasticidade de preço da demanda é numericamente baixa. A lógica deste raciocínio é que a preferência por produtos associados a mais alto grau de BEA baseia-se em questões éticas; tais preferências tendem a ser mantidas por atitudes provenientes de reflexão profunda e não são, para sociedades de alto poder aquisitivo, modificadas por preços (McINERNEY, 2004).

As preferências por produtos certificados para BEA tendem a ser demonstradas mais amplamente pelas sociedades como resultado de educação, de conhecimento de conceitos básicos de BEA e da evolução normal de percepções e valores que acontecem quando as preocupações de uma geração são substituídas por aquelas da geração seguinte (Molento, 2005).

O BEA tem forte presença nos códigos morais e nos pilares éticos de vários países e um tratamento apropriado aos animais não é mais visto como algo que possa ser deixado para a livre escolha de pecuaristas individuais (SINGER, 2002, apud Molento, 2005).

Segundo McINERNEY (2004), a demanda por produtos diferenciados em termos de BEA, tende a crescer à medida que aumentam as informações, a consciência e a percepção do público em relação à produção animal.

O Departamento de Assuntos Ambientais, de Alimentos e Rurais (Department of Environment, Food and Rural Affairs – DEFRA) do Reino Unido publicou um relatório sobre Bem-Estar Animal, Economia e Regulamentação que constitui um dos artigos mais completos sobre o assunto (McINERNEY, 2004). Percebe-se uma tendência de se organizar formas de exigência de padrões mínimos de BEA a partir de regulamentações governamentais. Esta exigência, que se inicia de forma interna em muitos países europeus e, mais timidamente, nos Estados Unidos, provavelmente alcançará os domínios do comércio internacional (Molento, 2005).

Nos Estados Unidos A Humane Farm Animal Care, uma ONG sem fins lucrativos que tem como missão melhorar o bem-estar dos animais de produção, estabele padrões viáveis e confiáveis, adequadamente monitorados para a produção humanitária de alimentos e garantindo aos consumidores que produtos certificados atendam a esses padrões. Os Padrões do Humane Farm Animal Care foram desenvolvidos como os únicos padrões aprovados para criação e manejo de Bovinos de Corte para serem usados no programa Certified Humane®. Esses padrões incorporam pesquisa científica, recomendações de veterinários, e experiências práticas dos produtores. Os padrões foram originalmente baseados nas diretrizes do Royal Society for the Prevention of Cruelty to Animals (RSPCA), e no presente refletem informações científicas atuais e outros padrões e diretrizes práticas reconhecidas para o cuidado apropriado dos animais (Humane Farm Animal Care, 2014).

Os receptores da certificação Certified Humane® têm demonstrado comprometimento com o cuidado de seus animais, permitindo que os bovinos e bezerros realizem comportamentos naturais e instintivos necessários para manter a sua saúde e bem-estar. Os produtores criadores desses animais tomam medidas para assegurar a interação social, o conforto e o bem-estar físico e geral dos bovinos (Humane Farm Animal Care, 2014).

No Brasil a Ecocert Brasil, firmou acordo com a Humane Farm Animal Care, para a concessão do selo CERTIFIED HUMANE BRASIL, seguindo as mesmas normas do selo Certified Humane Raised and Handled utilizadas nos Estados Unidos, atualmente com mais de 20 milhões de animais certificados, além de distribuidores e restaurantes. Os referenciais para aplicação do selo CERTIFIED HUMANE BRASIL são referenciais privados, elaborados por espécie, de aplicação voluntária (Certified Humane).

Sabemos da importância de se manter registros sobre as condições de criação e sobre o desempenho dos rebanhos. Para tanto os animais necessitam ser identificados. A identificação individual dos bovinos é um passo importante para qualquer sistema de registro de informações. Os métodos de identificação mais comuns para bovinos são: tatuagem, brinco (visual ou eletrônico) e marcação a fogo. Existem outros métodos menos utilizados como, por exemplo: o bolus intra-ruminal, marcação a frio, cortes nas orelhas, colares de identificação e marcas nos chifres (Schmidek, et all, 2009).

A marcação a fogo é o método mais comum para a identificação de bovinos, sendo usado para identificar a raça, o proprietário do animal, o indivíduo e também a realização de certas práticas de manejo, como no caso da vacinação de brucelose, por exemplo. Quando bem feita, a marca a fogo é permanente e de fácil visualização. Entretanto, é um método que traz risco para os animais, podendo, quando mal feito, causar lesões graves por queimadura, resultando em dor e sofrimento intensos. (Schmidek, et all, 2009).

Embora a legislação brasileira de acordo com a Lei N.º 4.714 de 29 de junho de 1965, no seu Art. 1, permite a marcação a fogo na cara dos animais, já existe no Brasil literatura relacionando marcação a fogo na cara dos animais, como uma ação prejudicial ao bem-estar animal.

O Manual de Boas Praticas de Manejo – Identificação, cita que do ponto de vista do bem-estar animal, a marcação a fogo é desaconselhada, principalmente quando realizada em partes mais sensíveis do corpo do animal, como na cara, por exemplo (Schmidek, et all, 2009).

No documento referente a certificação segundo o referencial Certified Humane, quando se trata de identificação do animal, coloca claramente que marcação por calor de qualquer tipo na face é proibido (Humane Farm Animal Care, 2014).

Por ser a Raça Senepol, uma raça nova, moderna, é importante que cresça optando pela aplicação dos conceitos básicos de BEA. A adoção da marcação a fogo na cara dos animais até 8 meses deve ser evitada. Pequenas alterações de manejo e instalações, associadas a baixo ou nenhum custo, podem levar a uma elevação importante do padrão de bem-estar dos animais.

No momento em que a maioria dos criadores se interessarem pelo entendimento do BEA e for capaz de aplicar pequenas mudanças na sua esfera de trabalho, será dado mais um passo em direção a uma realidade na qual a consideração do bem-estar de animais de produção, pode tornar-se um trunfo para a Raça Senepol.

Slide1

REFERÊNCIAS

 

Certified Humane Brasil. Disponível em: http://www.brazil.ecocert.com/bem-estar-animal-certified-humane Acesso em: 13 set 2015.

FRANCHI, G. A.; SILVA, I. J. O. A. importância da relação humano-animal em propriedades leiteiras. Disponivel em: < http://m.milkpoint.com.br/radar-tecnico/bemestar-e-comportamento-animal/a-importancia-da-relacao-humanoanimal-em-propriedades-leiteiras-92817n.aspx>. Acesso em: 13 set. 2015

Humane Farm Animal Care. Padrões de cuidados com os nimais: bovinos de corte. 2014. Disponível em: < http://www.brazil.ecocert.com/bem-estar-animal-certified-humane> Acesso em: 13 set 2015.

McINERNEY, J.P. Animal welfare, economics and policy – report on a study undertaken for the Farm & Animal Health Economics Division of Defra, February 2004. Disponível em: <http:// www.defra.gov.uk/esg/reports/animalwelfare.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2004.

MOLENTO, C.F.M. Medicina veterinária e bem-estar animal. Revista do Conselho Federal de Medicina Veterinária e Zootecnia, Brasília, v.28/29, p.15-20, 2003.

PINTO, A. L. M.; SILVA, I. J. O. O sistema de produção de leite não define o nível de bem-estar animal. Disponivel em: http://www.milkpoint.com.br/radar-tecnico/bemestar-e-comportamento-animal/o-sistema-de-producao-de-leite-nao-define-o-nivel-de-bemestar-animal-82410n.aspx Acesso em: 13 set 2015

SCHMIDEK, A., DURÁN H., COSTA M. J. R. P. Boas Práticas de Manejo, Identificação. Jaboticabal: Funep, 2009. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/manual_de_identificacao.pdf> Acesso em: 13 set 2015.

SINGER, P. Animal liberation. New York: HarperCollins, 2002. 324 p.

ZANELLA, A.J. Descaso com o bem-estar animal: fator limitante para a exportação de carnes e produtos derivados do Brasil para a União Européia. A Hora Veterinária, Porto Alegre, v.20, n.116, p. 28-29, 2000.

 

O PORQUE DO SUCESSO DO DIA DE CAMPO DA FAZENDA PALMITO/SENEPOL CONSTELAÇÃO

É com muita satisfação que falamos sobre o sucesso do Dia de Campo Fazenda Palmito/Senepol Constelação, onde comparecerem mais de 300 pessoas, entre amigos, criadores de Senepol, pecuaristas e interessados no agronegócio.

O sucesso só foi possível por ter sido realizado junto com os colaboradores da fazenda e a Berrante Comunicação que com dedicação prepararam a fazenda para receber a todos.

Slide1

Nossos colaboradores Edmar, Rodrigo, Alcione e Donizeth

 

Nossos amigos Criadores de Senepol, que não mediram a distância para naquela manhã de sábado nos prestigiar.

Slide1

Amigos Criadores de Senepol

Slide2

Amigos Criadores de Senepol

Nossos patrocinadores Bellman, Borgato Valtra, Vale do Embrião, Agener União, CRV Lagoa, Casa do Fazendeiro, Barenbrug do Brasil e Stoller que acreditaram no projeto.  Nossos apoiadores Embrapa Geneplus, UFU, Sindicato Rural de Paranaiguara e São Simão e RS Consultoria, que nos incentivaram.

Slide1

Patrocinadores

Os paletstrantes Leandro Barbero (UFU), João Beltrame Benatti (Bellman), Tulio Cortes (R&S), Emílio Martins Pereira (UFU) e Mateus Bernardes  (Senepol Constelação), que contribuíram com informações preciosas e atuais.

Slide1

Estevão Barra (Senepol Constelação), Leandro Barbero (UFU), João Beltrame (Bellman), Túlio Cortes (R&S), Emílio Martons (UFU) e Mateus Bernardes (Senepol Constelação)

A receita para o sucesso foi simples: graditão a DEUS, muito trabalho e o sonho de uma família unida.

Slide1

Somos honrados e agradecemos a cada um que disponibilizou seu tempo para conhecer um pouco mais sobre o nosso trabalho.

Slide1

O evento foi preparado para contribuir positivamente com todos participantes e a porteira ficará sempre aberta para recebê – los quando quiserem!

Slide1

UMA VITRINE TECNOLÓGICA NA REGIÃO SUL DO GOIÁS

Dia de Campo Fazenda Palmito/Senepol Constelação integra empresas, pesquisadores, produtores rurais e conteúdo

No próximo dia 15 de agosto, a Fazenda Palmito, localizada em Paranaiguara (GO), região Sul do Estado e a 350 km da capital Goiânia, abre suas porteiras para realização do seu primeiro Dia de Campo. O evento tem por objetivo compartilhar as experiências bem sucedidas da propriedade, desde a formação das pastagens, passando pela criação do gado Nelore, o melhoramento genético da raça Senepol e a produção das lavouras.

Com 58 anos de experiência em agropecuária, a fazenda de propriedade de Josefa Guedes Bernardes, ganhou notoriedade devido à constante aplicação de tecnologia nas atividades exploradas. Em uma área de 643 hectares, sendo 500 deles destinados às pastagens, cria mais de 1 mil animais Nelore e desde 2010, seleciona animais Senepol PO, objetivando produzir bezerros de cruzamento industrial (Nelore x Senepol) e abastecer o mercado com reprodutores Senepol melhoradores. Além da pecuária, cultiva 100 ha de soja.

Integração entre os setores

O Dia de Campo da Fazenda Palmito/Senepol Constelação foi concebido para integrar empresas, produtores rurais, pesquisadores, técnicos e profissionais liberais para compartilhar informações e experiências. De acordo com Estevão Barra Bernardes, organizador do evento “o objetivo é promover um encontro anual, que funcione como uma vitrine tecnológica de pecuária de corte, agricultura, melhoramento genético e também seja um ‘balcão de negócios’, para um público bem direcionado, possibilitando boas oportunidades para todos os participantes envolvidos”.

Com uma programação diversificada, o evento contará com mostra de animais Senepol, Nelore, produtos de cruzamento industrial, shopping de touros Senepol, espaço mulher e palestras com pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia e renomados profissionais do setor, que levarão informações úteis para o dia-a-dia dos produtores rurais. O evento conta com o apoio da Universidade Federal de Uberlândia, da Embrapa Geneplus e do Sindicato Rural dos Produtores Rurais de Paranaiguara e São Simão.

A crescente demanda por proteína animal e a necessidade de intensificação dos sistemas de produção agropecuários, visando a maximização dos recursos, do espaço, e do tempo, tem levado produtores rurais de todas as categorias a buscar informações e ferramentas para o incremento da sua produção. Ser competitivo em um mercado cada vez mais exigente é premissa para um negócio de sucesso.

post03

VOCÊ TEM UM MOTIVO MUITO ESPECIAL PARA RESERVAR A DATA DE 15 DE AGOSTO

Dia 15 de agosto ( Sábado), realizaremos o primeiro Dia de Campo da Fazenda Palmito Senepol Constelação. O Dia de Campo é a primeira edição de um projeto que tem como objetivo ser uma vitrine tecnológica de melhoramento genético da raça Senepol, cruzamento industrial Senepol/Nelore e integração lavoura/pecuária. O evento será realizado anualmente, para que os participantes possam verificar in loco os resultados auferidos tanto no melhoramento genético, quanto nas pastagens e lavouras.

O objetivo é integrar empresas, criadores, produtores rurais, técnicos e lideranças do setor em um evento técnico/comercial que possibilite as empresas parceiras do evento iniciar ou estreitar relacionamento com um público seleto, do agronegócio. Para quem possui negócios relacionados à agropecuária é o momento para trocar informações, experiências e realizar bons negócios.

Acontecerá um circuito de palestras com temas atuais, em apresentações que auxiliarão os participantes em como ser mais eficientes e produtivos dentro do seu agronegócio.

Será montada uma estrutura de ambiente agradável e confortável, em um espaço adequado para fomentar negócios, apresentar produtos e resultados práticos em áreas de ensaio e nos animais que estarão expostos no evento.

O evento também contará com shopping de animais Senepol PO e produtos de cruzamento com Senepol.

SAVE THE DATE 08-07-15

 

AS FÊMEAS SENEPOL

As fêmeas Senepol, possuem as características da raça de rusticidade, tolerância ao calor, pelo zero, baixo índice de infestação de ecto e endoparasitas e podem ser criadas a pasto sem necessidade de manejo especial.

Desempenham com muita competência tanto o papel de doadora de embriões como o de matriz a campo.

Muitas são as características positivas das fêmeas da raça Senepol, tais como fertilidade elevada, novilhas entram em cio com precocidade, facilidade de parto permitindo maior sobrevivência e vigor aos bezerrros.

É importante destacar a docilidade dos animais que facilitam o manejo e o parto.

 

Slide3

 

Com relação a longevidade e produção é comum ver vacas Senepol parindo ainda entre 13 e 15 anos de vida, mesmo tendo doado muitos oócitos, podendo-se manter em produção até aos 20 anos.

Possuem um tamanho moderado, o que às tornam economicamente viáveis, apresentando uma excelente conversão alimentar. Os bezerros são desmamados com mais de 60% do peso das mães. Mantém um intervalo entre partos bastante eficientes, garantindo maior produtividade.

 

Slide2

 

As vacas Senepol são excelentes mães. Possuem habilidade materna, com lactação mais que suficiente para criar bem o bezerro, bem como instinto de cria e cuidado com a progênie.

 

Slide5

 

Slide4

 

Senepol Constelação, vem trabalhando e incorporando ao time de doadoras novas matrizes que irão acelerar ainda mais o progresso genético na Fazenda Palmito. Para a formação do plantel, foram escolhido os melhores animais disponíveis nos grandes criatórios da raça, formando uma base genética diferenciada para o início do trabalho. Atualmente já contamos com doadoras próprias originadas deste melhoramento genético, animais de alto valor genético, disponibilizadas ao mercado.

 

Slide8

 

Investimos em Fêmeas Senepol e hoje já estamos colhendo os frutos desta nova era da pecuária brasileira. Invista você também!

Fonte: Material ABCBS